Maria Eulália de Macedo
O meu chão é de vertigem

19 

Recebo um poema pelo amanhecer
E dele todo o dia ando vestida.
Vou livre e calma como quem vai morrer
Mas o meu chão é de vertigem mal contida…

Isto de ser poeta é coisa natural
É tudo ignorar, tudo saber.
É ser como o vento e como o sal
É viver de cantar e de morrer.

1.ª ed.: outubro 2021
160 x 235 mm | 336 pp.
ISBN 978-989-8029-94-2

Edição: José Rui Teixeira e Jorge Teixeira.
Introdução geral: José Rui Teixeira. Textos prefaciais a Histórias de Poucas Palavras e As Moradas Terrenas: Maria João Reynaud. Transcrição: Ana Rita Nóbrega. Revisão: Jorge Teixeira.
Imagem da capa: ilustração de Gabriel Pacheco.
Edição com o apoio da Câmara Municipal de Amarante.
Coordenação científica: Cátedra Poesia e Transcendência – Sophia de Mello Breyner Andresen [Universidade Católica Portuguesa – Porto].

Share This